Não deixe que o cansaço do início te impeça de chegar ao objetivo final – Mirella Calçados

É comum que ao iniciar um programa de exercícios surja o cansaço, algumas dores musculares, certo desconforto físico e outros fenômenos. Isto se dá por que o corpo está nesse instante em processo de adaptação a um novo estilo de vida.

Um grande estímulo para movimentar-se é não só manter a forma física, como psicológica. O efeito psicológico do exercício físico fica nítido com a produção de hormônios que interferem em nossas emoções como a endorfina, dopamina, serotonina, cortisol e outros. Isso acontece naturalmente ao longo do tempo e através de um ritmo contínuo. Quando menos se espera o praticante do exercício físico se sente “uma outra pessoa”.

Essa transformação acontece porque a pessoa que faz exercício se motiva a alimentar-se melhor, dorme mais profundamente, não quer perder todos os benefícios que já conquistou.

Um dos primeiros passos para a motivação de sempre praticar exercícios é traçar metas à curto e médio prazo, assim ela chega mais rápido ao seu objetivo e se sente animada de traçar novos horizontes

Mesmo aquelas pessoas que têm desafios à longo prazo, como perder muito peso, escrever uma tese ou livro, e outros, é adequado programar objetivos menores, mas que sejam importantes na trajetória para chegar até o objetivo principal.

O ideal é não deixar para depois. Comece imediatamente um programa, seja sexta-feira ou segunda. Deixe de lado as avaliações profundas do potencial da atividade, e lembre-se: Qualquer atividade é melhor do que o sedentarismo!


Anúncios

Será que suas caminhadas estão adiantando?

Se você anda, anda, anda e morre na balança, precisa colocar em prática alguns truques dos especialistas, como alternar passadas aceleradas com moderadas e evitar a areia muito fofa. Eles garantem: suas passadas podem, sim, abaixar o ponteiro.

• Levar o cachorro para fazer xixi.

• Passar horas andando no shopping.

• Percorrer uma grande distância enquanto papeia com a amiga.

Ok. Isso não deixa de ser um tipo de caminhada. Mas, se a sua intenção é colocar a gordurinha para correr, está na hora de transformar os passeios em atividade física. NOVA entrevistou dois especialistas em esporte para ver onde você está tropeçando

Dá para emagrecer caminhando?

“Sim”, diz Marcos Paulo Reis, professor de educação física e coordenador da MPR Assessoria Esportiva. “Por se tratar de um exercício aeróbico, promove alto gasto calórico. Mas veja bem: desde que você seja aplicada.” Para ganhar curvas e perder quilos na base do passo a passo, é preciso caminhar cerca de 45 minutos ao menos três vezes por semana. “Encare como um desafio, e não como um momento de descontração”, sugere Fernanda Rodrigues Lima, médica do esporte do Hospital das Clínicas de São Paulo. “Só assim verá resultados.”

Como turbinar a queima?

“Primeiro, preste atenção na sua postura”, ensina Marcos Paulo. A correta é manter os braços de modo que formem um ângulo de 90 graus em relação ao tronco. “Assim, alivia a pressão na região lombar e ganha mais velocidade”, diz ele. Outra forma de otimizar os resultados: alternar passadas moderadas e fortes e incluir subidas e descidas. A dra. Fernanda sugere, ainda, aumentar em 10% o tempo a cada semana. Como o corpo se acostuma com os exercícios, é bom dar uma puxada no treino e mudar o percurso.

Correr é bem mais eficiente que caminhar?

Não necessariamente. O que mais conta é a regularidade e eficiência do exercício. Melhor caminhar três vezes por semana, mantendo os batimentos na zona de queima de gordura, do que correr um dia e parar antes do tempo por falta de resistência ou por alguma lesão. É por essas e outras que, nos últimos tempos, a caminhada virou a atividade aeróbica queridinha de muita gente. Até o médico americano Kenneth Cooper, o maior defensor das corridas nas décadas de 70 e 80, rendeu-se aos benefícios das passadas e hoje prega um treino mais leve. Pronta para calçar seu par de tênis?

Como conseguir bons resultados?

“Para emagrecer, mantenha a frequência cardíaca [FC] entre 50 e 70% de sua frequência cardíaca máxima [FCmax]”, ensina a dra. Fernanda. “Assim, o organismo queima mais gordura como combustível em vez de utilizar os carboidratos como fonte de energia.” Uma fórmula geral para descobrir a FCmax é subtrair sua idade de 220. Se você tem 20 anos, sua FCmax será 200 batimentos cardíacos por minuto. Então, a zona-alvo fica entre 100 e 140 batimentos por minuto. Outra maneira simples, porém menos precisa, de saber que a caminhada está funcionando é prestar atenção na conversa com a sua amiga: se você consegue falar sobre todos os detalhes da noite com o gato sem perder o fôlego, está na hora de acelerar o passo.

Andar com caneleiras potencializa os resultados?

Nã, nã, ni, nã, não! “Isso é desaconselhável, uma vez que a sobrecarga compromete o sistema circulatório”, explica a dra. Fernanda. Como resultado, podem aparecer vasinhos e varizes. Outro mito é derreter dentro de um agasalho na esperança de emagrecer mais rápido. “O corpo elimina basicamente água, que volta ao organismo nas horas seguintes”, conta a médica. O professor Marcos Paulo também veta a caminhada em praia de tombo e em areia muito fofa: “Podem ocorrer lesões nos joelhos e tornozelos, pois eles recebem uma sobrecarga muito grande”.

Para potencializar seu esforço

O professor Marcos Paulo montou uma tabelinha para você tirar o melhor proveito das caminhadas. Aperte o passo, garota!

SE VOCÊ ESTÁ… FRQUÊNCIA NA SEMANA DURAÇÃO DO TREINO FREQUÊNCIA CARDÍACA OBJETIVO
ACIMA DO PESO OU SEDENTÁRIA Três vezes, intercalando os dias de treino com alongamento De 30 a 40 minutos, alternando o ritmo entre confortável e moderado De 110 a 162 batimentos por minuto para uma mulher de 25 anos Perda de peso e condicionamento
CONDICIONADA Quatro vezes, intercalando os dias de treino com exercícios localizados De 35 a 55 minutos, alternando o ritmo entre leve, moderado e forte De 115 a 185 batimentos por minuto para uma mulher de 25 anos

Muito mais que detalhes

Para melhorar seu desempenho, dê atenção especial aos acessórios.

ROUPA

Se tem seios grandes ou está no período pré-menstrual, vai precisar de maior sustentação para a comissão de frente. Em vez de vestir uma peça muito apertada, use duas. Se você está acima do peso, prefira a calça legging ao short, já que a primeira evita o atrito entre as pernas e o aparecimento de assaduras.

Tênis

É importante que ele tenha sistema de amortecimento e corresponda ao seu tipo de pisada. Se o solado do seu tênis estiver muito gasto no lado de dentro, você é hiperprona (sua pisada concentra o peso na parte interna); se o desgaste for do lado externo, sua pisada é supinada.

Água

Para manter-se hidratada, calcule de 300 a 400 mililitros para cada hora de atividade.

Texto Giuliana Cury e Clara Dias / Foto Gustavo Arrais

Fonte: Nova

Veja também:

Como comprar o tênis certo para correr!

II Corrida de Rua de Três Rios, inscrição com desconto é só na Mirella Calçados.

Domingo, dia 20, vai ser realizada a II Corrida de Rua do município de Três Rios.

A primeira edição da corrida, no ano passado, contou com a participação de mais de 500 competidores, de Três Rios e outras cidades da região.

Se você quer participar da prova, mas ainda não se inscreveu, não perca mais tempo! Venha já à nossa loja e faça a sua inscrição com desconto. Isso mesmo!

Na Mirella Calçados a taxa de inscrição para a corrida cai para R$ 33,00, o valor sem desconto é de R$ 38,00. O mesmo vale para quem quer participar da caminhada. Indo à nossa loja você paga apenas R$ 15,00, sendo o valor integral R$ 25,00.

As inscrições podem ser feitas até o dia 17.

Então, o que está esperando ? Venha à Mirella Calçados, se inscreva, prepare o “uniforme” de corrida e aproveite os benefícios que a prática esportiva oferece!


Uso inadequado de mochilas pode causar sérias lesões nos ombros

Ortopedista do Hospital do Coração alerta para o uso incorreto e o peso excessivo das mochilas da criançada na volta às aulas; O ideal é que a bolsa não pese mais de 10% do peso corporal da criança e que tenha duas alças – Com a volta às aulas volta também à atenção dos pais ao peso da mochila das crianças. O que levar a escola, e como levar, é um dilema que há tempos os pais enfrentam. Porém, é um cuidado que deve ser redobrado a cada ano, para que possam ser evitadas lesões e também para não torná-las uma doença crônica.

 

Pesquisadores do Cincinnati Children’s Hospital, nos Estados Unidos, analisaram que 23% das crianças que dão entrada no pronto socorro do hospital têm lesões causadas pelo uso inadequado da mochila. Esse número não se restringe apenas a lesões na coluna e sim a 19 tipos de lesões no ombro.

 

A maneira de carregar, erguer ou retirar a mochila das costas também deve ser supervisionada. Se comparada a bolsas de uso lateral a mochila tem uma melhor aceitação, pois distribui o peso dos objetos pelos músculos e abdômen. Porém se estiverem com peso acima do recomendado podem causar um grande mal à saúde dos ombros dos pequenos.

 

Segundo Dr. Sérgio Xavier, ortopedista do HCor – Hospital do Coração, o mau uso da mochila pode ocasionar fraturas, distensões musculares e problemas para a vida toda .“Crianças podem sofrer danos na coluna vertebral ao carregar uma mochila muito pesada. O peso pode afetar a forma dos ossos, impedindo o desenvolvimento dos pequenos. O ideal é que a bolsa não pese mais de 10% do peso corporal da criança e que tenha duas alças, as de uma alça só sobrecarrega apenas um ombro”, explica.

 

Muitos pais alternam então para o uso de mochila com rodinhas, porém, se puxadas de maneira inadequada, os riscos são os mesmo. “A alça do carrinho tem que ter a altura assimétrica para a criança, e o peso também não pode ultrapassar a porcentagem desejada, se não o esforço que é feito causa lesões tão sérias quanto ao carregar nas costas”, orienta Dr. Xavier.

Os pais devem ficar atentos para qualquer reclamação do filho. Ao primeiro sinal de dor devem levá-lo ao médico especialista para uma melhor avaliação. Vale também acompanhar se o que ele leva na mochila é realmente essencial para as tarefas daquele dia.

Lesões mais comuns

Em média o HCor atende nessa época do ano cerca de 10 crianças por mês com queixas de dores nos ombros, geralmente ocasionadas pelo mau uso das mochilas escolares. São problemas que se não tratados quando detectados podem levar os prejuízos para a vida toda. É comum encontrar jovens com problemas de postura e dores crônicas nas articulações. Os problemas mais comuns são:

Dor muscular;

Modificação da postura e até mesmo desvio posturais.

“Quando o problema já se instala iniciamos um tratamento de reabilitação para o paciente. Mudamos a rotina da pessoa e começamos com sessões de fisioterapia”, explica o ortopedista.

Prevenção de lesões

Para eliminar a possibilidade do seu filho adquirir uma lesão pelo mau uso do material escolar, o Dr. Xavier dá algumas sugestões para a escolha da mochila.

As mochilas devem ter duas tiras para distribuir o peso da melhor forma;

As tiras devem ser preferencialmente acolchoadas e ajustadas de forma que a mochila fique rente ao corpo;

A largura da mochila não pode ser maior que o dorso da criança;

Não deve ter ultrapassar a cintura da criança.

Dê preferência para mochilas com poucos bolsos. A diversidade de compartimentos pode ser um atrativo para carregar objetos inúteis.

Fonte:  Saúde e Lazer

10 dicas para a prática de exercícios físicos no verão – Mirella Sports

Nem mesmo o sedentário mais convicto fica imune aos apelos da prática de exercícios físicos no verão. O calor desperta em todos os brasileiros a vontade de sair de casa para fazer alguma atividade física ao ar livre. Nada contra, muito pelo contrário.

No entanto, os belos dias ensolarados podem esconder riscos potenciais à saúde de pessoas de todas as idades e, em especial, aos da terceira idade que têm adotado a caminhada como um exercício diário.
Para que todos possam aproveitar o verão com atividades físicas, enumero 10 dicas básicas para garantir saúde e o bem-estar durante os exercícios.
Aproveite o verão!

1. AVALIAÇÃO MÉDICA
Antes de iniciar a prática de atividades físicas é necessário fazer uma avaliação médica, incluindo exames como eletrocardiograma e hemograma. Atenção especial para diabéticos e hipertensos, que devem tomar uma série de cuidados.

2. ESCOLHA DO EXERCÍCIO
Parece óbvio, mas a escolha do tipo de exercício físico é fundamental para que a prática perdure durante todo o ano. A pessoa deve analisar o seu estilo de vida e avaliar se tem mais aptidão para exercícios aeróbicos, musculação ou se é melhor iniciar com uma caminhada. Há inúmeras opções como, por exemplo, aulas de circo. Na prática, o exercício deve ser um momento de lazer!

3. HIDRATAÇÃO
A ingestão de líqüidos, isotônicos e água, deve ser prioridade antes, durante e depois da prática de atividades físicas. Com a alta temperatura, o corpo perde mais água e sais minerais — inclusive sódio —, o que eleva o risco de tonturas e mal-estar. Jamais considere nessa lista bebidas alcoólicas ou que contenham cafeína, já que essas substâncias são diuréticas e aceleram o processo de perda de líqüidos.

4. USAR ROUPAS ADEQUADAS
É muito natural que com tanta gente nas ruas, parques, praças e praias, as pessoas queiram caprichar na roupa. No entanto, na hora de praticar exercícios, vale a elegância da simplicidade. Tecidos que facilitam a secagem do suor e roupas que não apertam são os mais adequados. Quanto ao calçado, vale a dica de sempre: tênis!

5. HORÁRIOS CERTOS
Os exercícios ao ar livre não devem ser realizados em qualquer horário. Os mais adequados são início da manhã, até as 10 horas, e após às 16 horas. Nesses horários, o risco de doenças decorrentes da exposição excessiva ao sol — como câncer de pele — são menores. Além disso, você evita o envelhecimento precoce. Vale lembrar que o horário indicado é o real, não o horário de verão!

6. PROTEGER A PELE
Um bom protetor solar é um dos principais aliados da prática de atividades físicas ao ar livre. Na compra, priorize um bom produto, com fator 30. Na praia, o cuidado deve ser redobrado, já que a areia branca é refletora dos raios solares.

7. RESPIRAR CORRETAMENTE
A sensação de falta de ar tão comum à prática de exercícios no verão pode ser evitada se o praticante respirar corretamente. As dicas são:
–    Inspirar pelo nariz, que tem mecanismos para filtrar o ar e permite uma ventilação mais eficiente e segura.
–    Para expirar, o melhor é utilizar a boca, o que torna a troca de ar mais rápida, já que a boca é bem maior do que as duas narinas.
–    Quando o esforço é grande, a tendência é inspirar também pela boca. Quando isso ocorre, o ideal é diminuir o ritmo e respirar profundamente, contando até cinco, para voltar a inspirar pelo nariz e expirar pela boca.
–    Um dos pontos mais importantes é o equilíbrio entre a quantidade de oxigênio colocada na circulação sangüínea pela respiração e o gasto desse oxigênio. Uma dica é equilibrar pelo número de passadas: quatro para inspirar, outras quatro para expirar.

8. ALONGAMENTO
O alongamento é a palavra-chave para a prática de exercícios físico em todas as estações. No entanto, o verão faz com que muita gente pense que o alongamento é dispensável. Vale lembrar que é o alongamento que torna a prática de exercícios mais segura e eficiente, por reduzir o risco de lesões e cãibras. Para fazer o alongamento, inicie da seguinte forma:
–    Apoiar as mãos na parede, flexione o joelho da perna direita à frente do corpo, enquanto a outra fica estendida para atrás. Troque a posição, utilizando a perna esquerda.
–    Apoiar a ponta do pé direito na beirada da calçada e deixe que o calcanhar se abaixe. Repita o movimento com o pé esquerdo.
–    Apoiar a perna direita na parede e direcione o tronco em sentido do pé. Repita o alongamento com a perna esquerda.
–    Sentar-se com os pés juntos (formato borboleta), deixando que os joelhos caiam para os lados. Mantenha o corpo ereto, alinhando a coluna.
–    Separe as pernas e desça com as mãos em direção ao chão. Deixe seu corpo relaxar completamente. Não é necessário tocar o chão.
–    Entrelace os dedos e eleve as palmas das mãos juntas para cima. Eleve os calcanhares durante o exercício.

9. REGULARIDADE
A prática de exercícios físicos deve ser regular e durar, no mínimo, 30 minutos. Sem a regularidade é muito difícil conquistar condicionamento físico! Os exercícios físicos devem ser realizados de forma regular três vezes por semana, com intervalo entre as sessões de 24 a 48 horas. Para pessoas com mais de 60 anos, o exercício mais indicado, no caso de prevenção da osteoporose é a caminhada, que deve ser realizada por aproximadamente 40 minutos, antecedidos por aquecimento e finalizados com um alongamento muscular. A intensidade do exercício deve ser de 60% a 90% da freqüência cardíaca máxima (própria para a  idade), de preferência avaliada por meio de consulta médica, complementada pelo teste de esforço.

10. LIVRAR A MENTE DE PREOCUPAÇÕES
Quando sair para caminhar ou para realizar outros exercícios, deixe as preocupações de lado. A prática de atividades físicas deve ser encarada como um momento de lazer, de cuidado com a mente e o corpo. O risco de lesões que são resultados de erros cometidos por distração é muito grande. Tente cultivar bons pensamentos!

Fonte: Instituto de Ortopedia e Saúde

Nem mesmo o sedentário mais convicto fica imune aos apelos da prática de exercícios físicos no verão. O calor desperta em todos os brasileiros a vontade de sair de casa para fazer alguma atividade física ao ar livre. Nada contra, muito pelo contrário.
No entanto, os belos dias ensolarados podem esconder riscos potenciais à saúde de pessoas de todas as idades e, em especial, aos da terceira idade que têm adotado a caminhada como um exercício diário.

Para que todos possam aproveitar o verão com atividades físicas, enumero 10 dicas básicas para garantir saúde e o bem-estar durante os exercícios.
Aproveite o verão!
1. AVALIAÇÃO MÉDICA
Antes de iniciar a prática de atividades físicas é necessário fazer uma avaliação médica, incluindo exames como eletrocardiograma e hemograma. Atenção especial para diabéticos e hipertensos, que devem tomar uma série de cuidados.
2. ESCOLHA DO EXERCÍCIO
Parece óbvio, mas a escolha do tipo de exercício físico é fundamental para que a prática perdure durante todo o ano. A pessoa deve analisar o seu estilo de vida e avaliar se tem mais aptidão para exercícios aeróbicos, musculação ou se é melhor iniciar com uma caminhada. Há inúmeras opções como, por exemplo, aulas de circo. Na prática, o exercício deve ser um momento de lazer!
3. HIDRATAÇÃO
A ingestão de líqüidos, isotônicos e água, deve ser prioridade antes, durante e depois da prática de atividades físicas. Com a alta temperatura, o corpo perde mais água e sais minerais — inclusive sódio —, o que eleva o risco de tonturas e mal-estar. Jamais considere nessa lista bebidas alcoólicas ou que contenham cafeína, já que essas substâncias são diuréticas e aceleram o processo de perda de líqüidos.
4. USAR ROUPAS ADEQUADAS
É muito natural que com tanta gente nas ruas, parques, praças e praias, as pessoas queiram caprichar na roupa. No entanto, na hora de praticar exercícios, vale a elegância da simplicidade. Tecidos que facilitam a secagem do suor e roupas que não apertam são os mais adequados. Quanto ao calçado, vale a dica de sempre: tênis!
5. HORÁRIOS CERTOS
Os exercícios ao ar livre não devem ser realizados em qualquer horário. Os mais adequados são início da manhã, até as 10 horas, e após às 16 horas. Nesses horários, o risco de doenças decorrentes da exposição excessiva ao sol — como câncer de pele — são menores. Além disso, você evita o envelhecimento precoce. Vale lembrar que o horário indicado é o real, não o horário de verão!
6. PROTEGER A PELE
Um bom protetor solar é um dos principais aliados da prática de atividades físicas ao ar livre. Na compra, priorize um bom produto, com fator 30. Na praia, o cuidado deve ser redobrado, já que a areia branca é refletora dos raios solares.
7. RESPIRAR CORRETAMENTE
A sensação de falta de ar tão comum à prática de exercícios no verão pode ser evitada se o praticante respirar corretamente. As dicas são:
–    Inspirar pelo nariz, que tem mecanismos para filtrar o ar e permite uma ventilação mais eficiente e segura.
–    Para expirar, o melhor é utilizar a boca, o que torna a troca de ar mais rápida, já que a boca é bem maior do que as duas narinas.
–    Quando o esforço é grande, a tendência é inspirar também pela boca. Quando isso ocorre, o ideal é diminuir o ritmo e respirar profundamente, contando até cinco, para voltar a inspirar pelo nariz e expirar pela boca.
–    Um dos pontos mais importantes é o equilíbrio entre a quantidade de oxigênio colocada na circulação sangüínea pela respiração e o gasto desse oxigênio. Uma dica é equilibrar pelo número de passadas: quatro para inspirar, outras quatro para expirar.
8. ALONGAMENTO
O alongamento é a palavra-chave para a prática de exercícios físico em todas as estações. No entanto, o verão faz com que muita gente pense que o alongamento é dispensável. Vale lembrar que é o alongamento que torna a prática de exercícios mais segura e eficiente, por reduzir o risco de lesões e cãibras. Para fazer o alongamento, inicie da seguinte forma:
–    Apoiar as mãos na parede, flexione o joelho da perna direita à frente do corpo, enquanto a outra fica estendida para atrás. Troque a posição, utilizando a perna esquerda.
–    Apoiar a ponta do pé direito na beirada da calçada e deixe que o calcanhar se abaixe. Repita o movimento com o pé esquerdo.
–    Apoiar a perna direita na parede e direcione o tronco em sentido do pé. Repita o alongamento com a perna esquerda.
–    Sentar-se com os pés juntos (formato borboleta), deixando que os joelhos caiam para os lados. Mantenha o corpo ereto, alinhando a coluna.
–    Separe as pernas e desça com as mãos em direção ao chão. Deixe seu corpo relaxar completamente. Não é necessário tocar o chão.
–    Entrelace os dedos e eleve as palmas das mãos juntas para cima. Eleve os calcanhares durante o exercício.
9. REGULARIDADE
A prática de exercícios físicos deve ser regular e durar, no mínimo, 30 minutos. Sem a regularidade é muito difícil conquistar condicionamento físico! Os exercícios físicos devem ser realizados de forma regular três vezes por semana, com intervalo entre as sessões de 24 a 48 horas. Para pessoas com mais de 60 anos, o exercício mais indicado, no caso de prevenção da osteoporose é a caminhada, que deve ser realizada por aproximadamente 40 minutos, antecedidos por aquecimento e finalizados com um alongamento muscular. A intensidade do exercício deve ser de 60% a 90% da freqüência cardíaca máxima (própria para a  idade), de preferência avaliada por meio de consulta médica, complementada pelo teste de esforço.
10. LIVRAR A MENTE DE PREOCUPAÇÕES
Quando sair para caminhar ou para realizar outros exercícios, deixe as preocupações de lado. A prática de atividades físicas deve ser encarada como um momento de lazer, de cuidado com a mente e o corpo. O risco de lesões que são resultados de erros cometidos por distração é muito grande. Tente cultivar bons pensamentos!